ALIANÇAS PSB aprova apoio a Aécio, que espera a adesão de Marina

O PV e o PSC também juntam-se à campanha do tucano, assim como o PPS, que aderiu ao candidato anteontem

O presidente do PSB, Roberto Amaral, integra ala do partido mais ligada a Dilma e que tentou barrar a decisão de colaborar com o tucano
FOTO: AGÊNCIA BRASIL

Brasília. Após mais de três horas de reunião e com algumas divergências, a Executiva Nacional do PSB, o partido de Marina Silva, aprovou ontem o apoio à candidatura de Aécio Neves (PSDB) à Presidência. Foram 21 votos a favor contra 7 que optavam pela neutralidade. O senador João Capiberibe (AP) foi o único a defender o apoio a Dilma Rousseff (PT). Aécio compareceu à sede do PSB para receber mais esse apoio.

Aliado do PT e oposição aos tucanos durante boa parte de sua história, o PSB rompeu com o governo petista. No primeiro turno, o PSB acusou os petistas de patrocinarem uma campanha de mentiras contra a ex-senadora Marina.

A decisão do partido foi liderada pelo vice na chapa pessebista, Beto Albuquerque (RS), e pela seção pernambucana da legenda, a mesma do ex-governador Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo em agosto.

Entre os que divergiram da decisão está a ex-prefeita de São Paulo Luiza Erundina, coordenadora-geral da campanha de Marina. Em uma fala incisiva, ela argumentou que o melhor seria a neutralidade devido às históricas diferenças entre o PSB e os tucanos.

A decisão do partido de Marina faz parte do processo montado por ela para, ao que tudo indica, selar a adesão à candidatura tucana hoje. Derrotada no 1º turno, ela costura um apoio dos partidos de sua coligação à essa decisão.

Mas seu grupo político, a Rede Sustentabilidade, ainda discutia ontem o rumo a ser tomado. Marina, porém, deve embarcar na candidatura do senador mineiro mesmo que não haja unanimidade entre seus aliados.

Além do respaldo dos partidos, ela quer obter de Aécio um claro compromisso com alguns pontos de seu programa, entre eles a defesa das reivindicações indígenas e o fim da reeleição.

Resistência

O grupo que buscava barrar o apoio a Aécio contava com o apoio do presidente da legenda, Roberto Amaral, que é mais próximo do PT. Na portaria da sede da sigla, em Brasília, chegaram a ser pregadas folhas com a inscrição: “Aqui o socialismo resiste. #nenhumvotonoPSDB”. O PPS também já havia aderido a Aécio na última segunda-feira.

Everaldo e Jorge

O candidato do PSDB recebeu ontem oficialmente o apoio dos ex-candidatos Pastor Everaldo (PSC) e Eduardo Jorge (PV) para o segundo turno da corrida presidencial. Ambos estiveram em um evento do candidato do PSDB com seus aliados políticos ontem, em Brasília.

Também estiveram presentes governadores eleitos no último domingo, como Geraldo Alckmin (PSDB-SP) e Paulo Hartung, do PMDB do Espírito Santo, partido que é aliado aos tucanos no estado.

Eduardo Jorge destacou que sua decisão e de seu partido, o PV, de apoiar Aécio Neves, vem da comparação entre os programas de governo. O desenvolvimento sustentável foi, segundo ele, questão central. Jorge ressaltou ainda que não pediu nada em troca do apoio. “Não estamos pedindo nada ao candidato. Estamos pedindo apenas que ele ponha o Brasil no rumo do desenvolvimento sustentável”, disse.

Pastor Everaldo, por sua vez, falou sobre um governo de Aécio voltado aos pobres. Everaldo disse que Aécio “representa a verdadeira mudança que o país está precisando”. Ele destacou o compromisso do candidato tucano em manter o Bolsa Família.

Mais pobres

Em conversa com jornalistas, Aécio disse que, se for eleito, fará um governo voltado para as camadas mais pobres da sociedade. “Eu serei o presidente de todos os brasileiros, e principalmente daqueles que mais precisam da ação do Estado. Serei o presidente dos brasileiros mais pobres. Serei o presidente de todos”, enfatizou.

Aécio disse esperar que a campanha seja pautada na apresentação de ideias para melhorar o País. “Eu não trato um adversário como um inimigo a ser batido de qualquer forma. Eu estou numa campanha política, e não em uma guerra. Quero apresentar propostas”, declarou o tucano.

PSOL rejeita voto no PSDB

São Paulo. A candidata do PSOL na disputa à Presidência no primeiro turno, Luciana Genro, afirmou que o partido ficará neutro neste segundo turno, mas desaconselhou aos filiados o voto em Aécio Neves (PSDB), que disputa com a candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT).

“Essa resolução me parece a mais adequada. Aécio simboliza o retrocesso ao neoliberalismo puro e Dilma é o continuísmo conservador, uma esquerda que não tem mais coragem de defender as bandeiras que sempre defendeu”, afirmou.

“Vamos liberar nossos filiados tanto para o voto branco, voto nulo, quanto para o voto em Dilma”, disse. Luciana se recusou a declarar seu voto pessoal em respeito à posição tomada pelo partido e disse que vai se reunir com parceiros do Rio Grande do Sul para definir a posição do PSOL no Estado.

“Quero deixar claro que o PSOL será oposição a qualquer governo, seja do Aécio seja da Dilma. Não há a hipótese de o PSOL negociar qualquer coisa com qualquer um dos dois”, frisou. Ao ser questionada sobre se seria mesmo interessante aconselhar o voto nulo, a candidata respondeu: “Não estamos aconselhando voto nenhum, estamos apenas desaconselhando o voto em Aécio”.

A ex-candidata afirmou ainda que o PSOL deixou a marca da “esquerda coerente” nestas eleições e disse não esperar nada do segundo turno.

No 2º turno

Aécio Neves

Coligação Muda Brasil(PSDB / PMN / SD / DEM / PEN / PTN / PTB / PTC / PT do B) – No 2º turno recebeu apoios do PSB (incluindo o governador eleito de Pernambuco, Paulo Câmara), PV e PSC. Além disso, alguns governadores eleitos no 1º turno fazem parte da coligação do candidato, como Geraldo Alckmin (PSDB-SP), Beto Richa (PSDB-PR) e Pedro Taques (PTB-MT).

Dilma Rousseff

Coligação Com a Força do Povo (PT / PMDB / PSD / PP / PR / PROS / PDT / PC do B / PRB) – Parte do governadores eleitos no 1º turno integra a coligação da candidata. Fernando Pimentel (PT-MG), Rui Costa (PT-BA), Wellington Dias (PT-PI), Jackson Barreto (PMDB-SE), Marcelo Miranda (PMDB-TO) e Raimundo Colombo (PSD-SC).

Fora dos partidos da coligação, a presidente Dilma Rousseff recebeu apoio do candidato Ricardo Coutinho (PSB-PB)

FONTE DN

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s