Cresce vantagem de Dilma Rousseff sobre Marina Silva

Marina, candidata do PSB, variou três pontos para baixo. No segundo turno, há empate entre a petista e a pessebista

São Paulo. A pouco mais de duas semanas da eleição, a vantagem da presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, sobre a adversária do PSB, Marina Silva, aumentou de três para sete pontos percentuais no 1.º turno, segundo pesquisa do Datafolha divulgada ontem.

No Brasil, o índice de intenções de voto na petista oscilou de 36% para 37% – a margem de erro é de 2 pontos para mais ou para menos. Já a ex-ministra do Meio Ambiente caiu de 33% para 30%, segundo o Datafolha. O candidato do PSDB oscilou de 15% para 17%.

Quando são levados em conta apenas as entrevistas feitas no Nordeste, o índice de Dilma sobe. Na região a petista tem 49% das intenções de voto. Marina vem em segundo lugar, com 32%. Aécio Neves tem 8% das intenções de voto dos Nordeste, segundo a pesquisa.

Brasil

Até o levantamento anterior, divulgado no último dia 10 de setembro, Marina e Dilma apareciam em empate técnico em âmbito nacional, considerando a margem de erro. Em um eventual segundo turno, Marina e Dilma aparecem empatadas tecnicamente. A ex-ministra tem 46%, ante 44% da atual presidente. Na pesquisa anterior, Marina tinha 47% e Dilma, 43%.

A diferença entre as duas numa eventual segunda rodada, com vantagem para a presidenciável do PSB, chegou a dez pontos percentuais no fim de agosto (50% para Marina e 40% para Dilma). Na pesquisa seguinte, essa diferença diminuiu para sete pontos e depois caiu novamente para quatro pontos.

No outro cenário de eventual segundo turno avaliado pela pesquisa, a presidente ganharia de Aécio por 49% a 39%. No levantamento anterior, a petista tinha os mesmos 49%, ante 38% do tucano. O instituto simulou ainda uma disputa em segundo turno entre Marina e Aécio. A candidata do PSB aparece com 49%, ante 35% do candidato tucano. A pesquisa anterior apontava 54% a 30% para Marina.

Rejeição

Pela primeira vez, a taxa de rejeição de Marina ficou acima da de Aécio Neves – o índice dos que dizem que não votariam na ex-ministra de jeito nenhum é de 22%, ante 21% do tucano. A taxa de rejeição de Dilma manteve-se em 33%.

Os candidatos Pastor Everaldo (PSC), Luciana Genro (PSOL) e Eduardo Jorge (PV) aparecem na pesquisa com 1% de intenção de votos cada. Não atingiram 1% José Maria (PSTU), Rui Costa Pimenta (PCO), Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB) e Mauro Iasi (PCB). Votos em branco e nulos somam 6%, a mesma taxa anterior, e os eleitores indecisos, 7%, índice também estável.

Os eleitores também foram questionados sobre a gestão Dilma Rousseff. A avaliação manteve-se estável em relação ao levantamento anterior, com 37% de aprovação (os que consideram o governo ótimo/bom).

Segundo o Datafolha, a taxa dos que consideram o governo regular permaneceu em 38% e a dos que avaliam a gestão como ruim/péssima ficou em 24%.

A pesquisa foi encomendada pelo jornal Folha de S. Paulo e TV Globo. Foram ouvidos 5.340 eleitores em 265 municípios entre 17 e 18 de setembro.

A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR-00665/2014.

Marina disse que não vai entrar em ‘vale tudo’

São Paulo. A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, afirmou que não está “preocupada” com sua queda nas pesquisas e que não vai “entrar no jogo do vale tudo para ganhar as eleições” do mês de outubro.

“Não estou preocupada (com a queda nas pesquisas) porque, para mim, estamos dando uma contribuição cidadã”, disse Marina no ABC paulista. “Vamos continuar apresentando nossas propostas e fazendo uma campanha limpa. Não queremos entrar no jogo de que vale tudo para ganhar as eleições”, completou. A candidata garantiu que não usará mentiras e boatos.

Comemoração petista

O comitê de Dilma Rousseff (PT), por outro lado, comemorou os números. Com o resultado, coordenadores da campanha petista querem ampliar a operação para “desconstruir” Marina, explorando o que chamam de “dubiedades” e “fragilidades” da concorrente.

Ontem, Dilma reagiu com irritação às especulações das bolsas de valores dizendo que a variação do mercado em função das pesquisas eleitorais é “ridícula”. Para a presidente, “especulação tem limite” e “tem alguém ganhando dinheiro com isso”.

FONTE DIÁRIO DO NORDESTE

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s