RECURSOS HÍDRICOS Açudes estão em nível crítico com reduzido volume de água

É possível que a média dos reservatórios em dezembro chegue a 20% em decorrência da evaporação e consumo


Açude Sousa, no município de Canindé, está praticamente seco. A cidade está em racionamento assim como outras 24 no Interior do Estado. Muitas famílias dependem de carros-pipa ou aguardam adutoras FOTOS: ANTÔNIO CARLOS ALVES

Iguatu. Das 12 bacias hidrográficas que integram o Ceará, três estão em situação considerada muito crítica (Crateús, Curu e Baixo Jaguaribe). Outras cinco apresentam situação crítica (Coreaú, Litoral, Acaraú, Metropolitana e Banabuiú). O nível médio do volume dos 144 reservatórios monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) está em 27,5%. É o índice mais baixo já registrado nos últimos 10 anos.

A situação mais crítica é na Bacia dos Sertões de Crateús que só acumula 1,84% de volume médio. Para evitar o colapso geral, o governo do Estado está implantando uma adutora a partir do Açude Araras, em Varjota, distante 152km, para transferir água para as cidades de Novas Russas e Crateús. O mesmo ocorre em Tauá, que deverá receber água do Açude Arneiroz II. “As obras estão dentro do cronograma e já acionamos a Coelce para que não ocorra atraso nas ligações elétricas”, frisou o secretário adjunto da Secretaria de Desenvolvimento Agrário, Antonio Amorim.

É possível que o volume médio dos açudes em dezembro chegue a 20% em decorrência da perda por evaporação e consumo, que é mais intenso nesse período do ano. No início de junho passado, o acumulado era de 32%. Após o fim da quadra chuvosa (fevereiro a maio) houve uma redução de 5% na média geral dos reservatórios. O Ceará enfrenta três anos seguidos de seca. 108 açudes estão com volume inferior a 30%.

No fim da estação chuvosa de 2013, o volume médio acumulado no Estado era de 42%. No início deste ano estava em 31,20%. Isso significa que houve uma redução em torno de 11%, ao longo do segundo semestre de 2013. São dados comparativos que servem de projeção para este ano.

No fim da quadra chuvosa deste ano, o nível médio dos açudes era de 32%. Decorridos três meses, o índice caiu para 27,5%. Depois da bacia dos Sertões de Crateús, com apenas 1,84%, a bacia do Curu vem como mais crítica, com apenas 4,1% do total. Em seguida vem a do Baixo Jaguaribe, com 6,3%.

Em comparação com o início deste ano, apenas duas bacias hidrográficas registram maior volume acumulado. São elas: Alto Jaguaribe, que estava com 44% e atualmente tem 48%; e do Salgado, que estava com 22% e hoje acumula 32%. Houve, portanto, recarga favorável nessas duas regiões.

O Estado vivenciou baixo volume acumulado nos açudes em 1992 e 1993, mas naquela época não havia o Açude Castanhão e o reservatório Orós, que era o maior do Estado, chegou a ter volume inferior a 5%. A Cogerh faz monitoramento e simulações periódicas para definir, juntamente com outros órgãos, medidas a serem adotadas, como a implantação de adutoras, transferência de água e controle de liberação de água.

Sob a responsabilidade da Cagece, 19 cidades adotaram medidas de rodízio no abastecimento de água: Apuiarés, Caridade, Pentecoste, São Luís do Curu, Umirim, Tejuçuoca, Quiterianópolis, Novo Oriente, Catunda, Aratuba, Itatira, Crateús, Alcântaras, Mucambo, Mulungu, Palmácia, Trairi, Martinópolis e Jaguaretama. Outras que enfrentam racionamento são: Canindé, Boa Viagem, Caririaçu, Madalena e Quixeramobim, que têm sistemas de abastecimento pertencentes ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae).

Em Santana do Cariri, a escassez de água nos reservatórios também ocasiona sofrimento a milhares de famílias que residem na zona rural. Pelo menos 12 mil pessoas estão prejudicadas no município por conta da falta de água.

A situação mais grave é vivenciada pelos moradores do distrito de Mororó. A comunidade está desabastecida a cerca de 30 dias e a única reserva hídrica que os moradores ainda possuem encontra-se nas cisternas existentes em algumas residências.

Na localidade, moradores afirmam que estão há quase um mês sem tomar banho por conta da falta de água. Para o consumo humano, o líquido vem sendo racionado. A agricultora Ana Lauriana Cardoso de Lima, que reside na comunidade, avalia a situação como preocupante, observando, no entanto, que os problemas aumentarão quando as cisternas secarem.

“Eu e meus filhos não estamos mais nem tomando banho porque, da pouca água que ainda resta, temos que racionar. Os cacimbões e os pequenos açudes que ficam próximos aqui de casa já estão completamente secos. Até para escovar os dentes pela manhã falta água”, afirma.

Insuficiente

O agricultor Francisco Ferreira da Silva reclama que o número de carros-pipa que abastecem as comunidades da zona rural do município é insuficiente. “Não tem mais de onde tirar água para beber. Estamos vivendo uma crise e toda a zona rural está em colapso, as nossas cisternas secaram e os carros não resolvem a situação”, disse.

O secretário de Agricultura do município, Joaquim Major, diz que a situação em diversas comunidades é caótica. O município possui oito rotas atendidas pela Operação Pipa. O número de rotas, no entanto, é insuficiente para atender à demanda.

Na reunião de ontem do Comitê da Seca, o secretário adjunto da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA) informou preocupação com o desperdício de água pelos moradores. “A Cagece está com um programa de sensibilização para os moradores economizarem água, já houve um avanço neste ano, mas essa campanha deve ser permanente e para todos nós usuários”, frisou.

Adutora de Canindé tem 56% da obra pronta e entrega deve ser fim do mês

Canindé. As obras da adutora de General Sampaio para abastecimento dos municípios de Caridade e Canindé já estão com 56% prontos, segundo relatório técnico da Companhia de Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará (Cogerh).

O técnico responsável pela tubulação, Luís Sousa, afirma que os canos de 6 metros saem da barragem de General Sampaio com vazão de 400 milímetros e chegam à adutora do Sousa com 300 milímetros. “Estamos com 32% dos trabalhos prontos com canos de 300mm e 24% com os canos de 400mm”, disse.

A partir de agora, serão quatro turmas se revezando na implantação do sistema. Os trabalhos serão realizados em forma de revezamento dia e noite. Afora isso, cinco caminhões guincho irão transportar os canos para os locais de instalação, além de mais quatro máquinas escavadeiras para facilitar a abertura das valas, onde for necessário.

Ao todo serão 31.800 canos de fibra de polietileno, que servirão à população no modelo de engate rápido. Os investimentos são de R$ 22 milhões, em média, sendo que R$ 17,8 milhões foram para compra de equipamentos e R$ 4,2 milhões para execução dos serviços.

Para o técnico operacional da Cogerh, Roberto Castro de Oliveira, se tudo correr bem, a adutora de Canindé será entregue no dia 30 deste mês.

O prefeito de Canindé, Celso Crisóstomo, não esconde a sua alegria de ver a obra em ritmo acelerado. “Graças ao empenho de todos, Canindé terá água favorável para atender os romeiros de São Francisco e toda população”, comemora.

Ele disse que a ideia agora é aproveitar a chegada da adutora para se criar o “cinturão das águas” no município, onde o grande objetivo é atender as partes altas por onde a canalização vai passar. A obra já está com os seguintes trechos concluídos: Pedras Pretas I e II no Município de General Sampaio; Água Boa na área de Paramoti; Angelim, Rio Batoque até São Domingos, em Caridade; Canindezinho até Caxinoar, em Canindé; e Jardim até a BR-020, na Fazenda Marupiara, também nesse município.

“Não vai faltar água para a Festa de São Francisco porque estamos desenvolvendo todos os meios no sentido de colocarmos em funcionamento o sistema de poços da cidade, e a chegada da adutora resolve de vez o problema. O romeiro pode vir tranquilo que teremos uma romaria em paz”, diz o prefeito.

O governador Cid Gomes foi a Canindé no dia 4 passado e, em reunião com o pároco e reitor do Santuário, frei João Amilton, e com o prefeito Celso Crisóstomo, garantiu que a adutora estará pronto no prazo previsto. “É uma promessa de Cid Gomes e as festividades de São Francisco não serão penalizadas”, disse Celso Crisóstomo.

Recentemente, a Igreja Católica lançou no município uma campanha para tranquilizar os romeiros na próxima Festa do Padroeiro, de 9 a 19 de outubro, quanto ao abastecimento de água durante os festejos.

“Estamos nos aproximando dos festejos de São Francisco das Chagas, de 9 a 19 de outubro, com o tema ‘São Francisco: caminho de esperança para o Cristo’. Com muita alegria e fé, esperamos milhares de devotos vindos de diversas partes do País”. Assim divulga a Paróquia local por meio de documento da campanha. “Nosso Santuário e o Município de Canindé se preparam para oferecer uma boa infraestrutura de acolhimento, com diversas medidas, inclusive, para contornar a dificuldade na distribuição de água, devido à baixa estação chuvosa”, diz a nota.

As obras da nova adutora do açude General Sampaio foram iniciadas em julho e serão concluídas até o final de setembro, para possibilitar maior oferta de água potável. Outras medidas já acontecem com a presença de dezenas de poços profundos.

Honório Barbosa/Antônio Carlos Alves
Repórter/Colaborador

FONTE DN

Anúncios

Um comentário sobre “RECURSOS HÍDRICOS Açudes estão em nível crítico com reduzido volume de água

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s