OPINIÃO : Ai de nós se não fossem elas!

images (5)
Apesar de ser mãe, companheira e, sobretudo, ser humano, a mulher ainda é vista pela sociedade contemporânea mundial como inferior, incapaz de concorrer e assumir as rédeas das funções e papeis que os homens arrogantemente ainda monopolizam. Se no contexto mundial, ela não passa de uma simples propriedade e objecto do desejo sexual para satisfazer os prazeres da prepotência masculina, alguns homens ver a figura da mulher ainda como uma máquina reprodutora, reduzida a uma escrava doméstica e pública. Isso por dois motivos observáveis que passaremos a ilustrar: enquanto em casa seu papel se resume à cama, cozinha, cuidar dos filhos e outras tarefas adicionais, no domínio público, seus direitos continuam banalizados e sistematicamente violados. O nosso argumento pode ser comprovado pela constactação diária (tendo em consideração que o país não disponha de dados estatísticos que o comprovassem), de altos índices de óbito durante e pós-parto, de violência e estupro, de casamento forçado, de falta de acesso à saúde e escola, além de quase total marginalização na vida política e econômica nacional.
Diferentemente de alguns países, onde se pode perceber que as mulheres estão de forma gradual a ocupar merecidamente seus espaços. No nosso país, essa preocupação se limita mais ao nível do discurso, muitas vezes, é enfatizado com hipocrisia seu papel de destaque durante o processo de luta pela conquista da independência, pelas heroínas cujos nomes caíram no esquecimento.
A realidade do país tem nos mostrado de forma nítida, as duras batalhas pelas quais, nossas mães têm passado quotidianamente para educar seus filhos. Sendo que os pais, com a contribuição implícita do poder público, assumidamente proclamaram sua ausência junto ao lar, uns pela limitação econômica imposta pela realidade do País, outros na maioria das vezes, por falta de responsabilidade e amor à família. A leitura que faço disso é muito simples, se hoje podemos nos arrogar do status que socialmente adquirimos, é porque ontem uma mulher preparou esse brilhante presente, se entregando aos serviços desgastantes: como lavar e passar roupas, sentar dia todo debaixo do sol ardente para vender fatiotas e amendoim, trabalhar como empregada doméstica ou nos serviços gerais das empresas públicas, com a finalidade de garantir sustento e materiais didáticos para os filhos. Infelizmente, essa é a cruel realidade a que nossas mães e irmãs estão expostas, por pessoas que elas ajudaram a ser o que são e que agora se transformaram em seus monstros.
A dívida que temos com a mulher é impagável e nenhum gesto do mundo, por mais doce e singelo que seja, pode ser igualado ao de conceber um fecto e permitir o seu desenvolvimento durante nove meses até ele nascer. É ridículo naturalizar todo o sacrifício que ela carrega com muito carinho e amor desde os primeiros dias à eternidade. Hoje, existe uma quase unanimidade não só entre os activistas pela emancipação da mulher, como no universo social e acadêmico, de que não é criar um dia específico para homenageá-la que vai dignificar seu papel social. Ela por natureza é guerreira, que enfrenta todos os dias do ano como mais um a ser vencido, mas que também precisa contar com a atitude e compreensão social para consolidar seus desejos, fantasias e sonhos. E para isso acontecer, precisa-se de políticas públicas e leis que asseguram a tal almejada liberdade de viver humanamente numa sociedade distante do preconceito e atitudes machistas.
Talvez a melhor lição que podemos tirar sobre a relação homem/mulher pode ser observada nesse exemplo individual de vida: não façam aos outros, aquilo que não queremos que nos façam. Então, porque o homem quer fazer da mulher uma simples propriedade? Ou podemos considerar essa atitude de instintiva, cultural ou de insegurança? Creio que não. E, mesmo se consideremos uma das três hipóteses, ou todas elas, não duvido que também seja o momento de o homem como ser social e racional, isso na concepção de Aristóteles e vários outros pensadores, clássicos e contemporâneos, rever a sua posição e comportamento de forma a permitir que a mulher tenha um merecido espaço.
Hoje a sociedade vive numa profunda crise estrutural, tanto no aspecto social, quanto no econômico e político. Oportunizar a mulher a participar dos debates e elaboração de idéias, poderia ser um dos mecanismos para a busca de soluções. As nossas mulheres têm muito para oferecer ao País, principalmente no que diz respeito à arte de administrar, apenas precisam de confiança, proteção e espaço. E os homens precisam vê-las não apenas como uma simples companheira, mas como ser humano com igual ambição, capacidade e desejo. Se nenhum homem gosta de ver sua mãe a apanhar do marido ou a sofrer por qualquer motivo, porque então praticar esse mesmo atos com a esposa ou filha? É verdade que a convivência entre marido e mulher, além de complexa às vezes é desgastante, mas recorrer a violência jamais será atitude para construir um Lar feliz.
Particularmente, como homem e filho de uma guerreira, faço questão de prestar por meio deste artigo a minha profunda gratidão e admiração a todas as mulheres do mundo, e especificamente as Quixereense, que fazem dos sacrifícios uma estratégia para vencer os desafios, afinal quem somos nós se não fossem elas?

OPINIÃO LUCIANO ALMEIDA

Pesquisa revela que maioria das mulheres acha que no sexo casual vale tudo

sal3-2-300x250e
Antes considerado imoral e alvo de preconceitos, o sexo casual ganhou espaço na vida de quem busca satisfazer desejos e realizar fantasias. Mas, vale tudo na hora do sexo sem compromisso? 64,3% das mulheres entrevistadas pelo C-date, site de encontros casuais, acreditam que sim. A pesquisa revelou ainda que a ousadia feminina vai além dos limites de 59,2% dos homens.

Apenas 4,8% das entrevistadas disseram que não fariam tudo na cama e 30,8% considerariam o “vale tudo” dependendo do parceiro. Entre os homens, 7,1% colocam limites na experiência casual, mas 33,6% dizem avaliar a parceira e a possibilidade de experimentar tudo. Ao todo, foram coletadas 1.258 respostas entre os dias 13 de março a 07 de abril.

Para Benê Rodrigues, porta-voz da empresa no Brasil, o resultado da pesquisa foi surpreendente e revela uma tendência da sociedade à liberdade sexual, principalmente para as mulheres.

“A mulher está adotando um comportamento mais aberto com vários relacionamentos casuais. Algo que só homens praticavam. Se antes ela procurava o príncipe encantado para resolver o problema, hoje ela resolve sozinha”, explica.

Apesar dos avanços, Rodrigues conta que ainda são os mais fechados para as relações casuais. Irlandeses, holandeses e alemães estariam entre os mais liberais e confortáveis com a ideia do sexo sem compromisso ou dor de cabeça no dia seguinte.

MOTIVOS E FANTASIAS SEXUAIS
Inúmeros motivos podem levar uma pessoa a procurar o sexo casual, considerado uma “injeção para a autoestima” para 76% dos participantes. São eles: espantar a solidão só por uma noite (36,9%), ter um momento de diversão (25,2%) e aliviar a tensão do dia (19,4%).

Uma curiosidade é a incidência de fantasias sexuais com personalidades da televisão brasileira. Atrizes como Bruna Marquezine (33,9%), Isis Valverde (28,6%) e a apresentadora Sabrina Sato (25,3%) dominam os pensamentos dos homens. No imaginário feminino, os protagonistas são: Malvino Salvador (33,3%), Gabriel Braga Nunes (27,7%), Caio Castro (25%) e o cantor Luan Santana (13,8%).
Fonte: Com informações do IG
Publicado Por: Fábio Carvalho

Eunício e um novo prazo

Plenário do Senado
O senador e pré-candidato do PMDB ao Governo do Estado, Eunício Oliveira, deu mais um prazo para os aliados e correligionários esperaram uma manifestação do Governador Cid Gomes (PROS) em apoiá-lo ou não na sucessão estadual. Antes, Eunício trabalhava com o limite de 30 de abril, mas agora esticou o prazo para o dia 10 de maio. Foi um pedido, segundo ele, do ex-presidente Lula e da presidente Dilma para uma tentativa de convencimento aos irmãos Cid e Ciro Gomes. Eunício transmitiu esse recado aos aliados que o acompanham e o estimulam a ser mais firme em relação ao PROS. São aliados que veem ilusão na expectativa sobre uma aliança com o PROS, que trabalha firme para lançar candidato próprio à sucessão estadual. Para os peemedebistas, os sinais dados pelos irmãos Ferreira Gomes são indicativos de que os rumos da sucessão estadual não passam pelo Cariri, nem pelo PMDB.

Extraído da coluna Ceará Agora, do jornalista Luzenor de Oliveira, para o Jornal Grande Porto.

Declaração de Cid Gomes sinaliza fim de parceria e coloca Eunício na oposição

20140404180035_capa
O governador Cid Gomes reassumiu o comando administrativo do Estado e, nesse final de semana, cumpriu uma agenda política e social na Região dos Inhamuns. Cid atendeu a um convite do vice-governador Domingos Filho para prestigiar a festa religiosa de Jesus, Maria e José, conversou com aliados e falou pouco sobre as Eleições de 2014. Ao ser provocado, porém, por jornalistas e radialistas sobre a sucessão estadual, Cid voltou a reafirmar que não tem pressa e espera a decisão dos partidos de oposição para colocar o seu candidato em campo. Cid chegou a questionar se a oposição lançaria como candidatos de oposição o ex-prefeito Roberto Pessoa e o ex-senador Tasso Jereissati, ou se a chapa de oposição seria lançada com os nomes de Eunício Oliveira e do tucano Tasso Jereissati. Ou seja, com essas palavras, Cid não tem dúvidas que o senador Eunício Oliveira está na oposição e, sobre o peemedebista, foi ainda mais longe: “Eunício não me deve nada, nem eu devo nada a ele”. Agora, Cid, sem pressa, aguarda apenas o PMDB entregar os cargos que mantém na administração estadual.
fonte Marcela de Freitas
Editorial Alerta Geral

globo prepara novas cenas com Bruna Marquezine de lingerie

img_2444
Após adicionar seis cenas de sexo na trama “Em Família “, Manoel Carlos aposta em Bruna Marquezine apenas de calcinha e sutiã para aumentar a audiência da novela. A atriz já apareceu seminua nos primeiros capítulos da novela, interpretando Helena, quando sua toalha caiu e tampou seus seios com as mãos e novamente mostrará o corpão aos 18 anos.

A atriz já tinha protagonizou algumas cenas quentes com André (Bruno Gissoni), seu namorado na trama, mas desta vez a personagem Luiza vai aparecer em uma cena falando ao telefone em seu apartamento apenas de calcinha e sutiã. O capítulo deve ir ao ar no dia 3 de maio.

Manoel Carlos escreveu novas cenas de sexo para a trama em busca de aumentar o ibope da novela da Globo. Clara (Giovanna Antonelli ) e Cadu (Reynaldo Giacchini) vão se enrolar nos lençóis nesta sexta-feira (25). Marina (Tainá Müller) e Vanessa (Maria Eduarda de Carvalho)vão ter um envolvimento, mas no roteiro não deixa claro se as duas tiveram uma noite de sexo ou apenas dormiram juntas.

Além disso, o médico Felipe (Thiago Mendonça) vai chamar Laís (Nicole Evangeline) para sair. Os dois lancham e bebem juntos na cama da moça, no entanto, Felipe acaba falhando na hora “H” e cai no sono, deixando Laís falando sozinha.
img_2460

fd467474112055c3c23f6c772d741c08
Fonte: planetapop

O P I N I Ã O: “um grande abismo de diferenças entre política e “politicagem em Quixeré”,

download (2)
A maioria dos Quixereenses não tem uma noção clara do que é política, por isso sempre se ouve a frase “política não se discute”. Para muitos a concepção de política é político são de atos ilícitos, mas isso não é política e sim “politicagem”, que na pratica é servir-se de artifícios políticos egoístas para beneficiar somente uma pessoa ou um pequeno grupo de pessoas interligadas.

A Política é um exercício de poder de um homem sobre outro homem, quando se busca utilizar do poder para defender os direitos de cidadania e do bem comum. Quando o político é eleito ele tem o dever de fazer algo que vá beneficiar a população, honrar as pessoas que o escolheram, pois quando são eleitos é como se recebessem uma procuração de representatividade e total liberdade para fazer escolhas em nome do povo mais aqui em Quixeré alguns políticos esquecem disso.

Os cidadãos Quixereense obtiveram o direito de votar, de escolher quem seriam os representantes do povo. Com esse direito adquirido, todos devem ter consciência de que essas pessoas eleitas e escolhidas para representar a população, tanto na esfera federal, estadual como municipal, são obrigadas a agirem em primeiro lugar com respeito, porque o respeito que lhes é concedido pelo o povo Quixereense deve ser recíproco.

“A Politicagem”por parte de alguns políticos Quixereense são atos inescrupulosos, que visam o benefício próprio e não a coletividade, são ações de politiqueiros que querem se dar bem às custas do povo. Há situações de atos ilícitos constantes acontecendo na esfera política que não condizem com a responsabilidade que é dada aos representantes do povo. pois estes aproveitam a oportunidade de estarem no poder e acham que podem fazer o que bem entendem, fazer esquemas para ganhar mais que os seus respectivos subsídios. Tudo isso porque acham que são os donos da razão, esquecendo que eles estão ocupando essas cadeiras porque foram escolhidos pela população que os julgaram aptos para exercer os mandatos para os quais foram escolhidos.

Política é algo sério, não apenas para ser lembrada em época de eleição, mas sim, a todo o momento, pois ela é a grande protagonista da história e veio para melhorar e beneficiar a população. São os políticos eleitos que cuidam dos bens públicos, tanto recursos financeiros, bens materiais e serviços públicos. Política deve ser exercida por pessoas capazes, sábias e responsáveis, porque com a política conseguiremos grandes benefícios para o município Quixereense.

O ato de se fazer uma coligação de partidos políticos diz respeito a uma boa política, tendo em vista que através dessas coligações partidárias os governantes podem trazer grandes benefícios à população, pois grandes ações são indispensáveis para alcançar a legitimidade e suporte governamental em busca de eficácia.

Por trás de uma grande política deve haver uma boa governabilidade que significa a participação dos diversos setores da sociedade nos processos decisórios que dizem respeito às ações dos poder público. A governabilidade refere-se à competência do governo em diagnosticar problemas cruciais e estabelecer as políticas apropriadas ao seu enfrentamento. Diz respeito também à habilidade governamental de viabilizar os meios e os recursos necessários ao cumprimento dessas políticas, destacando, além da tomada de decisão, os problemas vinculados ao processo de implementação. Por fim, estreitar a vinculação da tomada de decisão com capacidade de liderar o município, sem tornar as decisões ineficazes.

A política é bem abrangente, pois em todos os lugares existe política até mesmo dentro de casa, quando se tem um chefe de família que administra a casa e alguém para ser administrado; a sociedade é constituída por várias políticas que são denominadas de política social, política de saúde, política de educação, política de economia, política de transportes entre outras. Política busca somente melhorias e bem estar para toda sociedade e não prejudicar. Deve-se ter a total clareza que atos ilícitos não é política e sim “politicagem”.

Este é um ano de eleição e todos os eleitores Quixereense devem escolher bem em quem vão votar, analisar com bastante tranquilidade quem realmente quer ver o benefício da sociedade, quem vai trabalhar para ajudar o povo, lutar pelos direitos dos cidadãos Quixereense.porque muitos políticos já estiveram aqui em anos passado para busca o nosso voto,mais na hora que o município precisou ele estiveram aqui para ajuda? muitas lideranças politicas Quixereense vão aparecer com nomes de políticos para o povo vota neste ano de eleição mais será que estes políticos depois de eleitos votaram para da a sua contribuição ao município? por isso pensem bem Quixereense na hora de escolher os nosso representastes.

O cidadão tem todo o direito de voto livre, não é obrigado a votar em quem lhe faz promessas falsas, ou quem lhe trata bem somente no ano de eleição, tem que ter uma clareza de todo o trabalho desse político, o que ele faz pela sociedade. E mesmo quando este estiver candidatando-se pela primeira vez, ele pode ser analisado pelos seus atos cíveis durante sua vida, se realmente é uma pessoa de bem, ou se está querendo candidatar-se com o propósito de achar que terá vida boa.

Portanto, há um grande abismo de diferenças entre política e “politicagem”, pois ambas não dizem respeito aos mesmos atos, enquanto uma trata de algo que institua boa conduta, razão, responsabilidade e respeito para com quem a contempla como uma ciência da organização de direção e administração, a outra infringe os princípios legais da administração pública fazendo com que as pessoas não acreditem mais na honestidade dos políticos.

opinião de Luciano almeida